Gestão do Resíduo de Construção Civil

  Os resíduos de construção civil ou de demolição possuem uma composição muito heterogênea, variando em função da técnica construtiva e da região. Basicamente o resíduo de construção é composto por areia, cimento, cerâmica, argamassa, concreto, madeira, papel, plástico, gesso, pedras, tijolos, tintas entre outros materiais. O volume elevado de geração desse resíduo muitas vezes vem da elevada perda de matérias-primas no processo construtivo. Por muito tempo esse resíduo foi descartado de forma incorreta em terrenos baldios e margens de rios.   Atualmente com serviços de coleta desses resíduos, essa realidade melhorou muito, mas alguns procedimentos são importantes para a correta destinação e possível reuso desse material. Isto porque nem todo resíduo de construção civil é inerte(1). Segunda a resolução 307 do Conama, classifica-se os resíduos de construção nas seguintes classes:   Classe A : alvenaria, argamassa, concreto e solos. Podem ser reutilizados ou reciclados na forma de agregados para uso, por exemplo, em pavimentações, concretos e argamassas, ou dispostos em aterros licenciados. Classe B : madeira, metal, plástico e papel. Podem ser reutilizados, reciclados ou armazenados de forma temporária. Classe C : produtos sem tecnologia disponível para recuperação. Classe D : resíduos perigosos (tintas, óleos, solventes, etc.). Devem ser destinados em aterros licenciados para resíduos perigosos. Logo, vemos que o resíduo de construção exige uma gestão, assim como acontece com outros resíduos sólidos.   A gestão de resíduos no canteiro de obra tem como objetivos a conscientização ambiental do funcionário, a redução no desperdício de materiais, promover a separação de materiais para reutilização no próprio canteiro e encaminhar os resíduos para reciclagem ou destinação final adequada. Estudos de caso mostram que a implantação de uma gestão de resíduos no canteiro de obra traz grande redução na geração de resíduos e consequente redução dos custos operacionais das obras.   Referências Bibliográficas: Conama. “Resolução nº 307”. 2002. ABNT. “NBR 10004: Resíduos sólidos – Classificação”. 2004. SindusCon-SP. “Gestão ambiental de Resíduos da Construção Civil”. 2005.   (1) Resíduo Inerte: São quaisquer resíduos que, quando amostrados de uma forma representativa e submetidos a um contato dinâmico e estático com água destilada ou deionizadas, à temperatura ambiente não tiverem nenhum de seus constituintes solubilizados a concentrações superiores aos padrões de potabilidade de água, excetuando-se aspecto, cor, turbidez, dureza e sabor.

Aterro sanitário da VT Engenharia entre os melhores do estado

  Estudo realizado pela ABES/SC – Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental em parceria com o Ministério Público de Santa Catarina, usado como subsídio para o programa “Lixo Nosso de cada Dia”, foi divulgado no mês de agosto ...

Leia mais

VT Engenharia completa 30 anos!

  Estabelecida em Videira, na região meio-meste de Santa Catarina, a VT Engenharia e Construções Ltda iniciou suas atividades em junho de 1982, com um pequeno escritório, oferecendo serviços de projetos e de engenharia para construção civil.   ...

Leia mais

Resíduos Industriais de Classe I – Perigosos

  A VT Engenharia recebeu recentemente da FATMA – Fundação de Meio Ambiente de Santa Catarina, a Licença Ambiental de Operção – LAO, para recebimento, tratamento e destinação final de resíduos industriais perigosos, denominados Resíduos de Classe I. Após ...

Leia mais
Matriz

Rua Saul Brandalise, 190 - 6º andar
Centro - Videira - Santa Catarina
CEP 89560 000 - cx postal 392
Tel. (49) 35661925

Central de Triagem de Resíduos

Estrada Municipal José Gheller, s/n
Santa Lúcia - Videira - SC
CEP: 89560 - 000 - Fone/Fax: (49) 3566-7312

Aterro Sanitário

Fazenda Baía
Fraiburgo - SC
CEP: 89580 - 000